Não seja um robô. Nada contra, tenho até amigos que são. =)

Vou ser um pouco repetitivo nessa publicação, pois acredito que esse assunto de cara já ajudou, em pessoas, o número de dedos que tenho nas mãos. E essas são apenas as que me deram feedback em 4 dias.

Esqueça as fórmulas prontas e receitas de bolo que tentam te empurrar. Na verdade, guarde-as para usar depois que entender uma coisa bem simples:
Pessoas falam com pessoas.
Não adianta ler “As armas da persuasão”, de Robert Cialdini para encher um texto de gatilhos mentais sem antes entender isso.

Você precisa de uma história. Você precisa mostrar a conexão do que está escrito com o seu leitor.

Alimente o seu texto com fatos, exemplos e aplicações do cotidiano. Mostre o caminho para aquilo tudo e quando tudo isso der certo, use os gatilhos.

Até porque eles não são a massa do bolo, mas sim a decoração.
Comece por você. Recomendo o texto de ontem e o de segunda, sobre perspectiva.

Se achar mais fácil, acesse o meu blog para ler e salvar o conteúdo. O link está na bio.

Mas apenas comece.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *